23 de dezembro de 2011

Capítulo especial de Natal - O presente


          
Fiz um capítulo especial para o Natal. Ele se passa antes de Sara ir para faculdade. Quando Sara e seus amigos vão para Amsterdã atrás de Bruno e descobrem que ele perdeu a memória. 





          _ Vamos amiga. Se anima! Insistiu Heidy pela décima vez enquanto rodeavam o shopping à procura de um vestido para Sara usar no Natal. Essa foi a estratégia de sua amiga para fazê-la sair de casa.
_ Ainda não achei nada do meu gosto.
_ Se você não escolher, eu é que vou. Pense bem, posso pegar um vestido bem cafona. Heidy colocou as mãos na cintura desafiando-a.
_ Está bem. Vou escolher! Sara bufou enquanto entravam em uma loja.
Ela olhou em alguns vestidos e mostrou um para sua amiga.
_ Preto não, né?! É natal, alegria.
Heidy ajudou a amiga, olhou cuidadosamente os vestido expostos até que encontrou um que achou a cara de Sara,
_ È perfeito! Estilo clima-de-verão. E deve ser uma delícia usá-lo.
Sara pegou o vestido sem muito entusiasmo e pagou para a vendedora, sem mesmo prová-lo.
            Por mais que tivesse decidida que iria orar e deixar sua relação com Bruno nas mãos de Deus, a realidade era outra.
Havia passado apenas dois dias desde que ela e seus amigos votaram de Amsterdã e descoberto que Bruno havia perdido a memória.
Mas conforme as horas iam passando começava a ter lembranças dele, interrogações do por que tinha que ter acontecido isso? Todo dia, por mais que não quisesse, acabava relembrando de quando o vira na igrejinha. Ele a olhou como uma estranha, não sabia seu nome e muito menos que a conhecia. Sara sentiu-se totalmente perdida naquele momento. Todas as esperanças que tinha de estarem juntos, o entusiasmo, os sonhos... se foi sem um adeus, sem uma explicação.
E essa sua tristeza e melancolia estava afetando sua família e até seus amigos.
            Sara vestira o que comprara no shopping. Mesmo sem prová-lo na loja, o vestido havia ficado perfeito e até por alguns instantes conseguiu sorrir para si mesma. Estava sentindo-se bonita e empolgada para usá-lo.
Sua família fez uma ceia perto da meia-noite.
Os sorrisos, os coloridos dos enfeites de natal, os olhares, as trocas de presente, o amor entre todos estavam fazendo bem para ela. Sentia-se viva novamente.
_ Sara, telefone para você. Susan a chamou.
_ Quem é? Perguntou, curiosa.
_ A Heidy. No mesmo instante pegou o telefone das mãos de sua irmã e foi para seu quarto.
_ Feliz Natal!
_ Isso você vai ter que me dizer pessoalmente. Daqui a pouco o Carlos vai fazer um... como posso dizer, um pequeno culto de Natal, na casa dele. Você vai poder ir?
Sara foi rapidamente pedir para seus pais.
_ Tudo certo.
_ Te encontro na casa do Carlos.
            Sara surpreendeu-se ao encontrar seus amigos na casa de seu vizinho.
_ Não sabia que vocês viriam. Comentou assim que chegou.
_ Nem a gente. Karin deu uma leve risada. O Carlos passou a ceia de Natal com os pais do Bruno e...
Jeane cutucou a amiga para não falar no nome dele, mas foi tarde de mais.
Sara tentou disfarçar o incomodo, no entanto, não conseguiu.
_ Desculpe, foi sem querer.
_ Tudo bem. Sara suspirou. Acho que tenho que me acostumar com o rumo que as coisas aconteceram.
_ Tenha esperança. É só um tempo até que a memória dele volte. Aconselhou Jeane.
_ Atenção gente! A mamãe noel chegou... Hô Hô Hô Hô Hô
As três garotas se entreolharam não acreditando.
_ O que é isso Heidy?
_ Uma inspiração Natalina minha cara amiga Jeane. Ela jogou o saco no chão e ajeitou sua toca vermelha _ Sei que mamãe e papai noel não existem, mas gosto da alegria deles.
_ Mamãe noel. Eu fui um bom menino esse ano. Você trouxe o meu presente? Marcelo entrou na brincadeira fazendo beicinho.
_ Vamos ver meu filho. Tenha um pouco de paciência.
Sara, Karin, Jeane, Junior e Marcelo caíram na gargalhada com a imitação de voz tremula de vovó que Heidy fizera.
Carlos chegou de mansinho para assistir a cena.
_ Estou vendo que a nossa visita já entreteu nossos convidados.
_ Carlos, onde você estava que eu não te vi? Sara levantou-se para abraçá-lo.
_ Preparando a nossa ceia.
Karin olhou desconfiada para seu primo _ Hum... O que será?!
_ Venha mamãe noel. Tenho um lugar para você sentar.
Heidu usou da bengala para chegar ao seu assento.
­_ Então meus filhos. Deixa-me tirar algo para vocês. Com a ajuda de Carlos tirou uma caixa de dentro do saco.
Todos olharam curiosos para saber o que havia dentro.
Carlos abriu a caixa e entregou a cada um, papel, caneta e tesoura.
Os cinco olharam para ele não entendendo.
_ Sei que no Natal as pessoas se presenteiam com roupas, objetos, utensílios e outras coisa. Mas hoje vamos nos presentear de forma diferente. Algo que vai fazer nossos corações bater mais forte.
Cada um escreva no papel qualidades que apreciam em seus amigos aqui presentes.
Sejam sinceros! Vocês vão ver o quanto se surpreenderam.
Heidy colocou em cima da mesa de centro pequenas caixinhas com o nome de cada escrito em cima. A cada bilhete feito, cortavam e colocavam em seu devido lugar, de acordo com os nomes.
Assim que todos terminaram Carlos pegou uma escada, subiu e colou as pequenas caixinhas no forro do teto.
Heidy tirou uma caixa grade de dentro do saco e colocou sobre a mesa.
_ Agora vocês precisaram desse presente para pegar aqueles pequenos, no teto.
_ Podemos abrir? Perguntou Junior olhando seriamente para Carlos.
_ Esse presente foi dado a todos nós. Podem abrir.
Junior puxou a fita que prendiam a caixa. Assim que a tirou ela automaticamente se desfez deixando apenas uma cruz de pé.
_ Essa é a ponte para aqueles presentes. Carlos apontou para cima _ Essa cruz é a ponte para a verdadeira alegria. É através dela que temos um sentido de vida. É ela que nós dá a salvação. Podemos ganhar presentes maravilhosos, caros... A alegria é momentânea, mas não completa, se não aceitarmos o que Jesus quer nos dar; a salvação eterna, de estar com Ele para sempre, eternamente.
Sei que todos já fizeram essa decisão, no entanto, acho que podemos reafirmar isso nesse natal. É só pegar a escada e subir para pegar seu presente.
Sara saiu do seu lugar, pegou a escada e subiu com um pouco de dificuldade. As lágrimas pareciam sair desesperadamente fazendo suas vistas ficaram embaraçadas.
Conseguir pegar seu presente e foi para a varanda, precisava ficar sozinha.
Como poderia ser tão egoísta? Sara soluçava. Havia um desespero em sua alma que não conseguia conter. Os últimos dias de sua vida só parecia ter sentido, se Bruno estivesse com ela. Como poderia ter feito isso? Não tinha sentido... Deus era maior que tudo, era com Ele que ela estaria eternamente. Não compreendia o que havia acontecido consigo mesma. Precisava de Deus! Sabia disso.
Sentia uma mistura de dor, saudades e arrependimento.
Por mais que tenta-se fugir, de nada adiantaria. Por onde quer que fosse O encontraria.
Era a sua salvação. O natal não existiria sem Ele, aliás, nada nesse mundo.
Enfim, Sara respirou profundamente, limpou as lágrimas com as costas de suas mãos e ficou sentada, em silêncio, apenas olhando para o céu.
Sentia-se invadida por um amor, uma paz tão doce que fez um sorriso brotar em seus lábios.
_ É tão bom estar contigo Jesus! Obrigada por que Tu existes e me faz feliz.
Fechou os olhos e continuou sentindo a leveza daquela madrugada especial, até que lembrou-se da pequena caixinha de presente.
Abriu entusiasmada.
“Mulher guerreira”
“Doce, suave, pura”
“Conselheira”
“Amiga de toda hora”
“Tem uma voz incrível”
“Teme a Deus”
Carlos tinha razão, esse presente não tem dinheiro no mundo que compre.
Senti-a se realizada em saber dos sentimentos dos seus amigos por ela.
_ Sara? Heidy a tirou de seus pensamentos _ Você está bem?
Ela olhou para a amiga e deu um sorriso.
_ Então está na hora na ceia de natal.
_ Estamos chegando! Sara ouviu a voz de Marcelo vindo de dentro de casa. Em seguida ele chegou com duas bandejas.
_ É o suco favorito de cada um. Peguem, e vamos brindar.
_ Brindar? Karin olhou surpresa para seu primo.
_ Isso ai, vamos brindar e comemorar o nascimento do nosso Senhor Jesus, mesmo que não sabemos a data exata.
Todos pegaram seus copos e o ergueram aos céus cantando uma pequena canção

“A estrela anuncia que um novo tempo está chegando
As luzes começam a brilhar,
Resplandecendo dentro de mim

É Natal, um pedaçinho do céu.
É Natal, nasceu o Salvador
Jesus, Rei dos reis, nosso Senhor”


 Um feliz e abençoado Natal para todos! Que não esqueçamos do real sentido de tudo.
Bjinhos
Joice













2 comentários:

Joice disse...

Então postado esse capítulo especial.
O que acharão?
Comentem e comentem...hehehe
bjinhos

Vinícius Cannone disse...

Apesar de gostar de ler o que se refere a natal na data, achei interessante o capítulo, principalmente no tocante à amizade.

 renata massa